Páginas de sangue!


0
Foto Coluna Mhorgana Alessandra 17.03

“E um estranho pensamento me ocorreu, o de que a luz do Inferno deveria ser tão brilhante quanto a luz do sol, e seria a única luz que eu veria de novo”.

(Lestat de Lioncourt – O Vampiro Lestat / Anne Rice)

por Mhorgana Alessandra

Já é de longa data, que a literatura e os vampiros caminham juntos, roubando sustos e sorrisos de seus aficionados leitores. Estão intimamente ligados à poesia, aflorando a imaginação humana e seus medos primordiais. As lendas vampirescas existem há milhares de anos, mas só ganharam maior destaque no século XVIII. Os vampiros se popularizaram no século dos Diderots e dos Voltaires, na Europa. O nome era dado aos homens que, segundo as lendas, voltavam após a morte, mesmo depois de enterrados. Reapareciam caminhando, molestando as pessoas, sugando-lhes o sangue e causando suas mortes. O único meio de se livrar deles era exumá-los, queimá-los, empalá-los, ou cortar-lhes as cabeças. Aqueles que morriam vitimados pelos vampiros, tornavam-se um deles. Era um sanguinário ciclo de mortes e o vampiro tornar-se-ia imortal, não somente pelo sangue humano que ingeria, mas pelo seu mito.

As histórias de vampiros representam um tema recorrente nas mais diversas culturas. Seres vampirescos já apareciam em Homero e nas Mil e Uma Noites, embora a crença neles tenha surgido entre os povos eslavos, onde o vampirismo se propagou como uma peste, causando numerosas mortes. Segundo Voltaire: os vampiros são mortos que durante a noite, saem dos cemitérios para sugar o sangue dos vivos, através da garganta ou do ventre. O padre francês Dom Augustin Calmet, primeiro vampirólogo de que se tem notícia, registrou vários casos que serviram de base para os ficcionistas construírem histórias e lendas.

Os vampiros logo atraíram a atenção dos escritores. Victor Hugo, Merimée e Goethe escreveram poemas vampirescos. Jean Jacques Rousseau tinha uma convicção grande na existência deles. Assim, os sugadores de sangue, ganharam seu ápice em forma literária, com William Polidori, o jovem médico de Byron. Ao basear-se na figura de Byron para construir o seu personagem, Polidori consagrou o modelo do vampiro de origem nobre, sofisticado e elegante. Byron foi chamado de gentleman-vampyre por Tristan Corbièr. Antes de Polidori, as histórias de vampiros compiladas por Dom Calmet, tinham como protagonistas homens do povo: aldeões, soldados, camponeses. Polidori retira o vampiro da periferia e o molda tal como o conhecemos até hoje: rico, nobre, bonito e sedutor.

As implicações sexuais do vampiro e a necrofilia, despertam fascínio nos escritores ao longo do tempo.  Podemos citar um texto interessante: Carmilla, de Sheridan Le Fanu, que retrata a história de uma vampira homossexual e pedófila.  Mas a história de vampiros mais grotesca é Viy, de Nicolai Gogol, onde um estudante mata uma bruxa e é forçado pelo pai dela a ficar velando o seu caixão. Fantasmas, de Ivan Turgueniev, é a mais espiritual de todas, descrevendo os passeios noturnos de uma bela mulher vampiro. Temos ainda, uma complexa história de amor, com Alexey Tolstoi em O VampiroA Família do Vurdalak, um conto de vampiros sérvios, publicado na Rússia.

Mesmo com muitas histórias sobre esse tema, a mais célebre e popular é Drácula, de Bram Stoker, inspirado numa figura real: o nobre chefe militar Drakula, terror da Valáquia no século XV, uma obra nascida entre a literatura gótica e a literatura fantástica. Uma lenda sobre Vlad III, filho de Vlad Dracul, cujo corpo desapareceu do túmulo após sua morte, pode ter sido uma grande inspiração para Stoker. O vampiro nobre e sedutor, que dorme em terra nativa, tem medo de espelho e só podia entrar em uma casa se for convidado. A religião também começa a dar suas primeiras pinceladas no combate ao vampiro: há crucifixos, orações e citação de trechos bíblicos na obra.

Anne Rice, em 1976 escreveu Entrevista com o Vampiro, dando um novo foco ao tema. Ela romantiza os personagens e a questão religiosa pesa mais ainda na obra de Rice. Aqui encontramos um vampiro que levanta questões morais e tem nostalgia de seu antigo lado humano. Segundo Rice“O mal é sempre possível. E a bondade eternamente difícil”. Stephenie Meyer renovou a literatura vampiresca e atraiu leitores e popularizou o gênero, mesmo sendo mais uma história de amor, do que algo aterrorizante. O ponto em comum se tornou então, o romance entre um humano e um imortal. Através dos tempos, o mito do vampiro se reinventou, se transformou, mas ele sempre voltou de seu esconderijo nas sombras para atacar o pescoço indefeso de suas vítimas.

Com a globalização e a internet, a literatura sobre vampiros no Brasil, se tornou muito popular. A partir da década de 2000, surgiram nomes que se destacaram com histórias vampirescas, como o escritor André Vianco, que ficou conhecido pelos livros: Sete, Penumbra, Bento, A Bruxa Tereza, Cantarzo, As Crônicas do Fim do Mundo, dentre outros. Outro escritor nacional de destaque no gênero é Artur Laizo, mineiro e autor de dois livros sobre o tema: A Mansão do Rio Vermelho I e II. Ele sempre teve interesse pelo assunto e acredita que: “o vampiro é um ser forte, elegante, sensual e tem poderes importantes, como a imortalidade e o poder de persuasão”. Ele completa: “adoraria ser um vampiro e inspirei meus livros na imagem do Drácula, criação do meu grande ídolo do gênero, o pai de todos: Bram Stocker”. Além dele, cita como seus preferidos, os escritores: Anne Rice e JR Ward.


MHORGANA

Mhorgana Alessandra, é mineira, psicóloga e escritora. Diretora da Anima – Núcleo de Desenvolvimento Humano, ministra palestras e consultorias sobre diversos temas do comportamento humano. Casada, mãe de duas lindas meninas, participa como autora e organizadora em diversas antologias. É idealizadora do blog literário Literanima, colunista da Eu Leio Brasil e membro do projeto A Arte do Terror e da Associação Brasileira de Escritores de Romance Policial, Suspense e Terror (Aberst).

Publicado inicialmente em:
http://www.euleiobrasil.com.br ! Todo dia um novo texto!<3


Gosto disso? Compartilhe com os seus amigos!

0

Qual é a sua reação?

hate hate
0
hate
confused confused
0
confused
fail fail
0
fail
fun fun
0
fun
geeky geeky
0
geeky
love love
0
love
lol lol
0
lol
omg omg
0
omg
win win
0
win
Victoria Manuela

Victória Manuela nasceu na cidade mineira de Nova Lima no ano de 2005. Estudante e amante da literatura, teve a primeira participação em uma obra literária em 2017 nas Antologias Ana e Carpe Diem. Escreve contos e poesias e é leitura assídua de vários estilos literários. Sonha em ser uma escritora de sucesso e fazer faculdade de Letras. Seus hobbys são: ler, escrever e pintar.

Um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Share this
Choose A Format
Trivia quiz
Series of questions with right and wrong answers that intends to check knowledge
Poll
Voting to make decisions or determine opinions
Story
Formatted Text with Embeds and Visuals
Meme
Upload your own images to make custom memes
Video
Youtube, Vimeo or Vine Embeds
Audio
Soundcloud or Mixcloud Embeds
Image
Photo or GIF
Gif
GIF format